Gafeventos

Dica sobre artigos 01

Hoje falaremos sobre fazer exercícios sozinho ou supervisionado. Supervisionados por que nem sempre precisam ser “personalizados ou individualizados”, tendo em vista que esta última opção é mais cara. 

Em publicação relativamente recente (2016) o EUROPEAN JOURNAL OF PREVENTIVE CARDIOLOGY da European Society of Cardiology, Manuel Monreal e colaboradores, discute exatamente este tema. A prescrição de exercícios foi feita para 1.124 pacientes que tiverem infarto recente. 593 pacientes participaram de um programa de treinamento supervisionado e 531 de um programa não supervisionado. 15 meses depois, foi comprovado que o grupo que foi supervisionado apresentou 1,80% de  intercorrências contra 6.50% em um ano e,  o número de pacientes que entraram em óbito foi 0,15%  para o grupo supervisionado e de 2,89%  no grupo não supervisionado no ano, todos resultados com diferenças significantes.

O Artigo conclui que, o uso de treinamento físico supervisionado (aqui volto a repetir que não precisa ser um treinamento personalizado ou individualizado) em pacientes com IAM recente foi associado a uma diminuição no resultado composto de eventos isquêmicos subsequentes e morte.

O artigo apresenta alguns pontos negativos, não descreve o que foi realizado com exercícios, só nos informa que foram prescritos aeróbios e treinamento de força (indicação clássica na reabilitação cardíaca) e ainda não nos apresenta quantos pacientes um professor supervisionou. No entanto, o número de indivíduos foi interessante e, o mais importante, consegue mostrar a importância da supervisão contínua dos treinamentos para obtermos mais resultados.

Então, fica aqui a “dica” procure Centros de treinamentos onde a supervisão efetivamente exista e que venha de encontro com seus objetivos. Caso seja portador de alguma doença, é muito importante que os professores sejam conhecedores do assunto e que estejam alinhados com as prescrições sugeridas pela ciência. Lembre-se que exercícios tem uma gama de possibilidades infinita, deste “monte” de opções, o que realmente é importante para você!

Ainda vivemos a ideia que quanto mais exercícios, melhor. Será? Trarei , na próxima semana esta discussão à tona. Até lá!